A serra do tepequém é localizada no município de Amajari, distante 210km de Boa vista, a capital de Roraima, apresenta diversas atividades ligadas ao ecoturismo sendo o platô da Serra do Tepequém, a principal delas.

Está localizada no município de Amajari, distante 210km de Boa vista, a capital de Roraima.  Apresenta diversas atividades ligadas ao ecoturismo sendo o platô, a principal delas. Esse foi nosso último destino na expedição #Rota20Anos, desbravando quatro cidades na região Norte para se conhecer a bordo de um carro.

Acredita-se que o termo Tepequém provenha das palavras indígenas tupã e quem, que significam “Deus do fogo” ou “fogo de Deus”

A RR 203 começa na BR 174 e vai até a vila do Paiva, o principal povoado da serra, por lá existem diversas opções de restaurantes, pousadas e também áreas para acampar.

Durante diversas décadas, a serra foi alvo da exploração desenfreada do diamante, o que modificou, e muito, a geografia do local.

A exploração é proibida desde o final da década de 80, transformando a serra em um destino exclusivamente turístico.

Como chegar

Saindo de Boa Vista, você percorrerá cerca de 100 quilômetros até a entrada do município de Amajari, entrará para a RR 203, que passa por vários povoados do município terminando na Serra do Tepequém.

Até é possível chegar de ônibus, mas recomendamos ir de carro, pois os passeios são um pouco distantes uns dos outros.

Em alguns pontos turísticos será necessário o acompanhamento de um condutor local, que são guias que conhecem bem a região.

O que fazer

Cachoeira do Barata

A cachoeira do Barata é uma das mais bonitas da região, formando uma linda piscina natural que nos dias de sol fica verdinha. Demos azar e ela estava um pouco barrenta, pois tinha chovido muito poucas horas antes da nossa chegada.

Cachoeira do Funil

Foi uma das mais castigadas pelos garimpeiros, alvo de várias explosões e bastante modificada por estas ações. O acesso é um pouco complicado e, se desejar , separe umas três horas para o passeio entre caminhada, contemplação e banho.

Cachoeira do Paiva

É a cachoeira de mais fácil acesso da serra, é só seguir a RR 203, passando pela comunidade da Vila do Paiva, você percorrerá cerca de três quilômetros em estrada de terra.

Depois de deixar o carro, você terá que caminhar sobre pedras por 500 metros, é altamente recomendado ir com um calçado apropriado, pois as pedras são lisas, ainda mais depois de chuvas.

A cachoeira possui várias quedas e em alguns lugares se formam piscinas naturais deliciosas para um banho.

Poção

É um grande poço de tom esverdeado, acessado facilmente, apenas alguns metros da estrada, onde é possível tomar um delicioso banho. Alguns moradores locais utilizam a água do poção para beber e preparar alimentos. No local, não é raro ver pessoas retirando água do poção para consumo próprio.

Poço Esmeralda

Para chegar ao Poço Esmeralda, recomendamos a contratação de um condutor local. Embora seja possível chegar por conta próprio, é alta a probabilidade de você se perder.

O poço é muito bonito, possuindo um tom verde esmeralda, ótimo para fotos e um bom mergulho.

Ele já foi um local de exploração de diamantes, acredita-se inclusive que não tinha o tamanho que tem atualmente e foi ficando maior com as explosões que sofreu no tempo do garimpo.

Ruínas da Vila de Cabo Sobral

Lá você encontrará as ruínas de antigas casas, escola e até mesmo de uma delegacia que mostra que o lugar deve ter sido grande mesmo no passado.

Lá era o local de compra e venda de diamantes, comércio em geral e reza lenda de muitos prostíbulos.

Se tiver a oportunidade de encontrar um antigo morador, vale a pena conversar e ver a história sendo contada por quem a viveu. Encontramos um senhor que disse que havia mais de mil casas na época do garimpo e hoje restaram apenas 20.

Cachoeira da Vila de Cabo Sobral

Fica localizada na antiga vila de Cabo Sobral, com uma queda tímida, não muito alta. Como a queda d’agua é baixa, o local é tranquilo para banho com crianças.

Platô da Serra do Tepequém

Para chegar até o platô, prepare a sua bota e seus pulmões, ele é o ponto mais alto da serra, com 1100 metros. Durante o passeio é possível tomar banhos em igarapés, corredeiras e contemplar uma vista única.

As rochas as quais o aventureiro é obrigado a encarar é um show à parte, pois a formação geológica é a mesma do sagrado Monte Roraima.

O platô é a única atividade na serra para a qual é obrigatória a contratação de um condutor local, que geralmente cobra R$ 100,00 para um grupo de pessoas.

Onde comer

Não existem grandes restaurantes, o que há são moradores que servem uma comidinha caseira maravilhosa.

Na nossa passagem pela Serra do Tepequém, comemos em três restaurantes, todos eles com comidas muito gostosas e com um preço justo.

O primeiro restaurante que fomos foi o da dona Regina. Ele fica bem próximo a uma igreja Assembléia de Deus e serve diversos pratos como galinha caipira, bife, carne assada de panela. Cada prato sai por R$ 20,00.

Ela também serve lanches como sanduíches e pastéis, tudo fresquinho feito na hora.

Outro restaurante que fomos foi o da Dona Rosa, que serve as mesmas comidas caseiras e pelo mesmo preço.

A outra opção foi comer na nossa pousada, onde servem pizza e sopa, tomamos uma bela sopa, que saiu a R$ 10,00 e gostamos bastante.

Onde se hospedar

A nossa hospedagem na Serra do Tepequém nos surpreendeu positivamente. Por se tratar de um povoado, já nos preparamos para passar alguns dias sem muito conforto.

Mas quando chegamos à pousada PSJ, nos surpreendemos com a estrutura do local: amplos quartos, todos equipados com TV, chuveiro elétrico e frigobar.

A pousada fica bem no começo da vila, perto de algumas atrações como o Poção e o Poço Esmeralda, possui duas piscinas e um grande área verde. Também se tem uma vista muito bonita do platô da Serra do Tepequém.

Uma diária para um casal fica em torno de R$ 120,00, sem café da manhã.

Os custos da viagem para a Serra do Tepequém

No total gastamos R$ 670,00 divididos em:

Hospedagem: R$ 240,00

Alimentação: R$ 200,00

Guia: R$ 150,00

Gasolina: R$ 180,00

Deu pra perceber aí que ir para a Serra é baratinho e vale a pena demais.

Nossa visita a Serra do Tepequém faz parte da Rota 20 Anos da Honda Brasil, que nos convidou para desbravar 4 destinos da região norte a bordo de um WR-V.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here