Chinese (Simplified)EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

Estudo projeta como Coronavírus pode um dia se juntar a resfriados comuns

Publicado em

Desde o início da pandemia, diversos cientistas avaliam que o novo Coronavírus (Sars-CoV-2) pode eventualmente seguir o mesmo caminho de outros vírus da mesma família que afetam humanos e se juntar àqueles que causam o resfriado comum.

Um estudo publicado nesta terça-feira (11) analisa como isso pode acontecer – e como a vacinação em massa pode afetar esse ciclo natural.

“Essa transição pode levar de alguns anos a algumas décadas, dependendo da rapidez com que o patógeno se espalha”, afirma Jennie Lavine, pesquisadora da Unversidade Emory de Atlanta, e colegas em artigo na revista Science.

Continua depois da publicidade

Leia também: Estudo aponta presença da Covid-19 no país desde novembro de 2019

A pandemia atual é provavelmente tão mortal porque o novo vírus afeta pessoas que não têm imunidade a ele e, assim, desenvolvem a Covid-19, uma doença que pode ser grave.

Os indícios são também de que a enfermidade é pior em adultos mais velhos porque seus corpos não estão acostumados a lutar contra novos vírus da mesma forma que os corpos das crianças, disseram os pesquisadores.

Mas o novo vírus é semelhante a quatro outros coronavírus que não causam sintomas piores do que o resfriado comum na maioria das pessoas. Depois de circular por um tempo, o Sars-CoV-2 pode seguir o mesmo caminho, disseram.

O artigo observa que estudos da resposta imunológica do corpo indicam que a imunidade que pode bloquear completamente a infecção pelo novo coronavírus “diminui rapidamente”. Porém, ainda assim, as pessoas teriam imunidade residual que protege contra doenças graves.

Se o vírus começar a circular livremente em todos os lugares, ele se tornará endêmico ou ficará permanentemente enraizado na população.

“Uma vez que a fase endêmica é alcançada e a exposição primária é na infância, o CoV-2 pode não ser mais virulento do que o resfriado comum,” diz a hipótese de Lavine e seus colegas cientistas.

Por: CNN

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em