Chinese (Simplified)EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

Turismo rural vira tendência no Brasil e alternativa de renda para agricultores

Publicado em

A falta de perspectiva para realizar grandes viagens por conta da pandemia tem fomentado um tipo de turismo pouco comum no Brasil: o rural. Esta modalidade proporciona contato com a natureza e experiências no interior do país.

Segundo o IBGE, o índice de atividades turísticas caiu 36,7% de 2019 para 2020. Para este ano, o cenário ainda é de retração:  a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) projeta encolhimento de 9,7% no mercado.

É em meio a esse cenário desacelerado do turismo convencional que outras modalidades de viagens vêm ganhando espaço, mostrando como o setor consegue se diversificar. Muitas pessoas têm aderido ao staycation, o turismo de escapada, para quebrar a rotina do isolamento social e viajar com segurança durante a pandemia.

Continua depois da publicidade

Destinos próximos aos centros urbanos, com menor fluxo de pessoas e, de preferência, em meio à natureza, é a nova demanda do turismo.

O que é o turismo rural?

Cerca de 80% da população brasileira vive em cidades. Para fugir do tédio do isolamento e do ritmo alucinante das metrópoles, o turismo rural – também chamado agroturismo- surge como alternativa.

Não à toa, o ano de 2020 foi escolhido pela Organização Mundial do Turismo (OMT) como o ano do turismo rural.

Foto: Reprodução

O Ministério do Turismo define como turismo rural “o conjunto de atividades turísticas desenvolvidas no meio rural, comprometido com a produção agropecuária, agregando valor a produtos e serviços, resgatando e promovendo o patrimônio cultural e natural da comunidade”.

Ou seja, podemos dizer que, para além de proporcionar momentos de tranquilidade para o turista, também gera oportunidades de renda e de melhoria na qualidade de vida para os habitantes locais. O turismo rural ainda contribui para a conscientização ambiental e o respeito entre homem e natureza.

Contudo, o turista precisa ficar atento ao seu papel social durante o passeio também. Durante a pandemia, é essencial manter os protocolos de segurança, como uso de máscaras em espaços públicos e distanciamento social. Assim, o visitante não coloca em risco a comunidade local.

#DicaCatraca: sempre lembre de usar a máscara de proteção, andar com álcool em gel, respeitar o distanciamento social e sair de casa somente se necessário! Caso pertença ao grupo de risco ou conviva com alguém que precise de maiores cuidados, evite passeios presenciais. A situação é séria! Vamos nos cuidar para sair desta pandemia o mais rápido possível. Combinado?

Foto: Reprodução

Geralmente, o turismo rural é realizado em locais onde não há muito acesso a hospitais e serviços de saúde, e, muitas vezes, são lugares próximos a povos indígenas e quilombolas. Um surto na localidade provocaria perdas irreparáveis à população.

Turismo e agricultura local

O turismo rural é uma maneira de incentivar a união entre pequenos empresários da região, e um dos grupos mais beneficiados é o dos agricultores familiares, que predominam no campo.

Em 2020, os ministérios da Agricultura e do Turismo fecharam um acordo para fortalecer a agricultura familiar no turismo rural, incentivando, comercializando e promovendo produtos e serviços dos produtores locais.

O trabalho do agricultor pode fornecer alimentos para um restaurante local, matéria-prima para a fabricação de itens típicos da região e comercializar seus próprios produtos, como vinhos, cafés e frutas típicas da região.

Também é possível oferecer serviços utilizando a própria atividade da agricultura ou a propriedade para entreter os turistas. Opções não faltam. É o caso, por exemplo, de uma hospedagem em uma fazenda centenária ou a pisa de uvas para produzir vinho.

Foto: Reprodução

Além de gerar renda e melhorar a qualidade de vida, ao se abrir para o turismo rural, o agricultor causa um grande impacto nos visitantes ao compartilhar seu modo de vida, apresentar o patrimônio cultural e natural, oferecer produtos e serviços de qualidade e proporcionar bem-estar aos turistas.

Onde ir e o que fazer no turismo rural?

Em todas as regiões do Brasil não faltam opções de destinos para experimentar (ou repetir) o turismo rural.

Quem ainda não está familiarizado com a experiência pode buscar, inicialmente, um hotel fazenda, que é similar a um resort na praia.

No local, tudo é preparado e facilitado para agradar ao turista. As estadias podem atingir cinco estrelas, há uma programação de atividades recreativas, esportivas e de lazer, as refeições são preparadas por grandes chefs, e muito mais.

As crianças costumam adorar o hotel fazenda, pois, na maioria deles, além de atividades divertidas e adequadas para a faixa etária, existem animais como cabras, galinhas e ovelhas para interação.

A região do Vale do Paraíba, entre São Paulo e Rio de Janeiro, concentra hotéis fazenda famosos nas cidades de Cunha, Taubaté e Campos do Jordão. Também é possível encontrá-los na região serrana do Rio de Janeiro, em Teresópolis e Visconde de Mauá. Indo ainda mais para o interior do Brasil, na região do Baixo Pantanal, está Corumbá, ideal para a pesca esportiva.

Foto: Reprodução

Desfrutar do turismo rural “raiz” é uma experiência completamente diferente.

Geralmente, esses turistas são aqueles que gostam de estar em contato com a natureza e com a simplicidade do ambiente rural, além de interagir com os habitantes locais e o patrimônio cultural da região. Eles podem até mesmo se envolver na plantação e colheita ou na rotina das famílias.

Neste caso, características geográficas e históricas da região contribuem para que as experiências no interior do Brasil sejam únicas em cada local.

A cerca de 40 minutos da capital paulistana, o Aglomerado Urbano de Jundiaí concentra pequenas cidades que resgatam as tradições do campo, como a culinária – muito influenciada pelos italianos -, o vinho, a cachaça e a hospitalidade característica da roça.

Foto

Entre São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais está a Rota da Estrada Real. Com 710 km, ela vai da cidade de Paraty (RJ) a Ouro Preto (MG), e, em diversas cidades, o viajante terá contato com paisagens de tirar o fôlego e cultura de regiões marcadas pela colonização portuguesa e o tropeirismo.

O Sertão cearense também tem desenvolvido o turismo rural. Por lá, cidades como Quixadá, Morada Nova e o Maciço de Baturité, com vocação turística, buscam atrair pessoas de todo o Brasil para curtir a natureza e o modo de vida do sertanejo nordestino.

Conhecer esses lugares, certamente, auxiliará você a recuperar suas forças e descansar da vida corrida da cidade. Em tempos de pandemia, a viagem pode ser feita de carro. Para destinos mais longes, existem passagens aéreas promocionais. Ou seja, motivos para ir não faltam.

*Com informação do Catraca Livre

 

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em