Milhões não acreditam que o homem foi a lua

Milhões de pessoas no mundo estão convencidas de que o homem não pisou na Lua em 1969 e de que as imagens da Nasa foram gravadas em um estúdio de Hollywood.

Um boato que perdura e que antecede e é um marco na história das “fake news”.

E você o que nos diz acredita ou não?

Bastam alguns cliques para encontrar milhares de sites na internet que questionam a realidade da missão de Apolo 11.

Teorias da conspiração, levantadas desde os anos 1970, afirmam que o episódio foi uma tática dos EUA para vencer a corrida espacial.

Depois de 46 anos sem ir à Lua, a agência espacial inicia uma nova missão

Se recorre a argumentos variados para justificar este postulado: a Nasa é incapaz dessa façanha tecnológica, a missão não tinha seres humanos, nenhum homem teria sobrevivido às radiações durante a viagem, e mesmo ideias mais extravagantes como a de que as autoridades deveriam dissimular a descoberta de uma civilização lunar.

Todas essas ideias se baseiam no mesmo: supostas anomalias detectadas nas fotos e nos vídeos da Nasa.

A luz e as sombras das imagens? Suspeitas. A ausência de estrelas? Prova de manipulação. Assim como a bandeira fincada por Neil Armstrong que parece ondular, apesar de somente haver atmosfera na Lua.

Embora a comunidade científica tenha refutado com provas todas essas teorias, inclusive com imagens do local de pouso tomadas em 2009, o mito de uma grande mentira continua vivo, e em crescimento.

Em 1969, menos de 5% dos americanos duvidavam da veracidade da missão, uma porcentagem que aumentou para 6% segundo uma pesquisa realizada pela Gallup em 1999.

Em 2009, eram 25% dos britânicos interrogados por TNS que não acreditavam nesse evento e 57% dos russos pesquisados por Vtsiom em 2018.

Mas as celebrações do 50º aniversário da Apollo 11 “serão uma oportunidade para reunir o apoio dos cidadãos americanos” a esta nova missão, acredita John Logsdon.

Não perca nesse fim de semana vários documentários e filmes que irão aguçar ainda mais suas desconfianças.

Leia Também: Reforma da Previdência e aí você entendeu?

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.