Chinese (Simplified)EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

Variante brasileira da Covid atinge 64% dos infectados em SP

Estudo foi feito pela gestão municipal em parceria com o Instituto de Medicina Tropical da USP. De 72 amostras, 52 eram da variante P1. Dados foram apresentados em coletiva de imprensa nesta sexta (26).

Publicado em

Um estudo realizado pela Prefeitura de São Paulo e pela Universidade de São Paulo (USP) divulgado nesta sexta-feira (26) aponta que a variante brasileira da Covid-19, conhecida como P1, atinge 64% dos infectados da capital paulista.

Principais pontos do estudo:

  • Entre os vírus que circulam na capital, mais de 71% são das duas variantes;
  • A taxa de mortalidade entre quem foi infectado pelas novas variantes e ficou em estado grave é de 35%;
  • A variante P1 atinge principalmente pessoas mais jovens, entre 20 e 54 anos;
  • Estudo serviu de base para a criação de novo protocolo de manejo para pacientes de Covid na cidade.

O levantamento foi feito em parceria com o Instituto de Medicina Tropical da USP, utilizando testes PCR coletados no início do mês de março, para identificar em 73 amostras quais apresentavam variantes.

Dessas, 52 continham as variantes – 64,4% pertencem ao grupo P1, que teve o primeiro caso confirmado em Manaus, e cerca de 6,8% pertencem à variante do Reino Unido.

Continua depois da publicidade

Desse modo, mais de 71% do vírus que circulam na capital são das duas variantes.

O secretário ainda destacou que a taxa de mortalidade é de 35% entre os pacientes em estado grave contaminados pela nova variante, que apresentam agravamento no quadro clínico entre o quinto e o sexto dia de contato com a doença.

Como forma de conter a disseminação do vírus, o governo estadual anunciou nesta sexta-feira (26) que a fase emergencial será prorrogada até o dia 11 de abril.

De acordo com Edson Aparecido, a variante P1 aparece principalmente em pacientes mais jovens.

“Na população de 20 a 54 anos é onde hoje se concentra o maior número de casos confirmados de Covid-19. É exatamente uma característica acentuada dessas novas variantes. São esses os pacientes que em número cada vez mais acentuado procuram o sistema de saúde quase sempre em estágio avançado.”

O secretário disse, ainda, que em função desse estudo, a Secretaria Municipal de Saúde decidiu fazer alterações no protocolo de tratamento na atenção básica do município.

Distribuição de idade das amostras de variantes do Sars-Cov-2 na cidade de São Paulo apresentado nesta sexta-feira (26) — Foto: Reprodução

Novo protocolo

A Prefeitura de São Paulo também anunciou nesta sexta um novo protocolo de manejo clínico dos pacientes com Covid-19 na cidade.

De acordo com Sandra Maria Fonseca Sabino, secretária executiva de Atenção Básica, Especialidade e Vigilância, o protocolo foi modificado devido as características da variante P1.

“Os pacientes avançam com a patologia sem sintomas até estarem gravemente e clinicamente doentes. Assim, quando ele apresenta os sintomas, é rapidamente internado e por vezes intubado, precisando de um leito de UTI. É por isso que eu apelo a toda a população para que, aos primeiros sintomas, principalmente os pacientes jovens, que valorizem esses primeiros sintomas e procurem a UBS para o monitoramento.”

Por: G1

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em