Chinese (Simplified)EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

Subida do Rio Negro acima da normalidade aponta para ‘cheia grande’ em Manaus

Gerente de Hidrologia explica que altos índices em janeiro preocupam, mas estabilidade nos próximos meses e comportamento do Rio Solimões podem mudar cenário da cheia para 2021.

Publicado em

A subida do nível do Rio Negro acima da normalidade, registrada em janeiro, aponta que Manaus pode ter uma “cheia grande” neste ano, de acordo com a gerente de Hidrologia no Serviço Geológico do Brasil (CPRM), Jussara Cury.

Apesar de índices preocupantes registrados em janeiro deste ano, o cenário da cheia em Manaus em 2021 ainda pode ser afetado por uma possível estabilidade nas próximas semanas e pelo comportamento do Rio Solimões.

O CPRM, órgão responsável por esse monitoramento, registrou cotas diárias em Manaus acima de 10cm no mês de janeiro, índice muito superior à normalidade e já se aproximando da máxima para o período (veja gráfico abaixo).

Continua depois da publicidade

A gerente de hidrologia explica que nas primeiras semanas de fevereiro, já foi possível observar uma estabilidade, com cotas diárias de 6cm a 8cm.

Em Manaus, nível do Rio Negro teve alta acima do esperado no começo do ano. A linha vermelha representa dados de 2021. — Foto: Divulgação/CPRM

“Isso quer dizer que a intensidade da cheia diminuiu um pouco em fevereiro, que é o que a gente precisava para não subir tanto. A curva estava super íngreme, e agora está estabilizando. Mas ainda preocupa, porque está muito próxima de 2012 [cheia recorde no estado]”, disse.

Duas razões são apontadas como as principais para essa alta em janeiro: a ocorrência de chuvas em toda bacia amazônica e a alta da cota diária na calha do Rio Negro (região de São Gabriel da Cachoeira, Santa Isabel do Rio Negro e Barcelos), de onde a água chega até a capital.

Além disso, o cenário da cheia em Manaus também é afetado pela subida do Rio Solimões, que ainda não chegou à capital. A quantidade de água do Solimões que contribui para a cheia na capital é maior do que a contribuição do Rio Negro.

“A gente já está recebendo as águas do Rio Negro, é como se fosse os 40% chegando, e com intensidade. A gente ainda vai receber os 60% da cheia do Solimões, então isso está preocupando um pouco”, disse Cury.

O pico da cheia em Manaus acontece, normalmente, entre o final do mês de maio e na primeira quinzena de junho.

De acordo com Jussara, o CPRM emite, todos os anos, três alertas de cheia. O primeiro é consolidado no final de março, e os outros são divulgados em abril e maio, respectivamente.

“A nossa esperança é que ela fique abaixo de 2012, e chegue na faixa azul [veja gráfico acima]. Mas a gente fica dependendo do comportamento da calha do Rio Negro e da calha do Solimões, e em março a gente já consegue chegar a uma previsão”, disse.

Por: G1 AM

 

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em