Chinese (Simplified)EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

STF barra possibilidade de reeleição de Maia e Alcolumbre

Publicado em

O Supremo Tribunal Federal decidiu na noite de domingo barrar a possibilidade de reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP) às presidências da Câmara dos Deputados e do Senado, depois de seis dos 11 ministros da corte confirmaram o entendimento de que a Constituição proíbe a reeleição dos chefes das casas legislativas na mesma legislatura.

Os ministros Marco Aurélio Mello, Luís Roberto Barroso, Edson Fachin, Rosa Weber e Cármen Lúcia entenderam, durante julgamento realizado no plenário virtual da corte, que o texto constitucional é explícito ao afirmar que “é vedada a recondução” dos presidentes da Câmara e do Senado na mesma legislatura.

O relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), Gilmar Mendes, entendeu que havia a possibilidade de reeleição, apesar do texto constitucional, e foi acompanhado por Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Alexandre de Moraes.

Continua depois da publicidade

Já o ministro Nunes Marques estabeleceu uma terceira via, apontando que a reeleição seria possível no caso de Alcolumbre, mas não para Maia.

Em seu voto, a ministra Cármen Lúcia afirmou que, o artigo da Constituição que trata do assunto, tem “português direto e objetivo”.

“Em norma jurídica –mais ainda, em dispositivo da Constituição da República–, onde tenha o constituinte se utilizado do verbo vedar, vedado está. Pode-se ter por lógica e fácil essa conclusão”, escreveu a ministra.

“O esforço exibido em debates sobre o tema nos últimos tempos, entretanto, conduz a se concluir o oposto, demonstrando que parece se pretender revirar o sentido da língua pátria, confundir o significado das palavras e retirar a negativa constitucional onde negado pelo constituinte está.”

As eleições para as presidências da Câmara e do Senado estão marcadas para fevereiro do ano que vem.

Por: Reuters

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em