Chinese (Simplified)EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

República Dominicana instalará cerca na fronteira com Haiti

Presidente quer acabar com problemas de imigração ilegal, tráfico de drogas e circulação de veículos roubados em dois anos

Publicado em

O presidente da República Dominicana, Luis Abinader, anunciou neste sábado a construção, no segundo semestre deste ano, de uma cerca divisória na fronteira com o Haiti.

Em discurso na Assembleia Nacional, Abinader divulgou novas medidas de reforço da segurança na região, entre elas a instalação de uma cerca dupla nos trechos mais conflitivos e de uma simples no restante.

Também serão instalados sensores de movimento, câmeras de reconhecimento facial, radares e sistemas de de infravermelho, detalhou o mandatário.

Continua depois da publicidade

“Em um período de dois anos, queremos colocar um fim aos graves problemas de imigração ilegal, tráfico de drogas e circulação de veículos roubados que temos sofrido há anos e alcançar a proteção da nossa integridade territorial que temos buscado desde a nossa independência”, argumentou.

Abinader afirmou que o governo está “determinado a manter relações mutuamente benéficas com o Haiti”, com o qual assinou há pouco mais de um mês um acordo que inclui apoio aos residentes haitianos na República Dominicana para que obtenham carteiras de identidade.

Com colaboração internacional, serão criadas maternidades no lado haitiano da fronteira, a primeira delas na cidade de Juana Méndez, também chamada de Ouanaminthé.

Haiti e República Dominicana compartilham uma fronteira de quase 400 quilômetros onde há relatos frequentes de tráfico humano e contrabando de armas e animais.

Causa polêmica na República Dominicana o fato de quase 30% dos nascimentos em hospitais públicos serem de mulheres haitianas, número que supera 60% em regiões da fronteira.

A maioria dessas mulheres são haitianas residentes na República Dominicana, embora muitas delas não possuam vistos ou autorizações de imigração.

Milhares de trabalhadores haitianos sem documentos residem na República Dominicana. A maioria deles trabalha na agricultura e na construção civil.

Por: EFE via R7

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em