Chinese (Simplified)EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

Polícia Federal apura desvio de verbas em institutos de previdência

Publicado em

A Polícia Federal cumpre 71 mandados de busca e apreensão em endereços em Rondônia, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Minas Gerais nesta quarta-feira (15).

A Operação Fundo Fake investiga desvios de verbas públicas em regimes de previdência municipais de Rondônia.

No Rio de Janeiro, os 26 mandados estão sendo cumpridos em empresas da zona sul, oeste e centro da cidade.

Continua depois da publicidade

Entre os 16 endereços alvos – residenciais e comerciais -, estão áreas nobres como Copacabana, Leblon e Barra da Tijuca. Comboios deixaram a sede da corporação, no centro da capital fluminense, por volta das 6h.

Leia também: Carnaval: metade das escolas de samba do Rio é contra desfile antes de vacina

Em São Paulo, são cumpridos 26 mandados de busca em 9 endereços; em Minas Gerais, são 9 mandados em 2 endereços.

Ainda há 5 mandados cumpridos em Goiás e 4 em Rolim de Moura, em Rondônia. Segundo a PF rondoniense, muitas empresas funcionam nos mesmos locais.

Organização criminosa

Segundo a Polícia Federal de Rondônia, as investigações apontaram indícios de uma organização criminosa que atuava com o objetivo de lesar os cofres dos Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS) municipais.

O instituto de previdência da cidade de Rolim de Moura – Rolim Previ – contratou por vários anos uma empresa de consultoria financeira para que ela indicasse as melhores aplicações financeiras para o Fundo.

Os policiais verificaram que, após os investimentos, “boa parte do valor era repassada rapidamente para a consultoria e seus sócios”, em uma prática conhecida como “rebate”.

Em alguns casos, os rebates correspondiam a mais de 20% do valor investido. Depois disso, a consultoria agia para que parte dos valores chegasse a gestores do Rolim Previ.

Além disso, as instituições financeiras envolvidas criaram fundos de investimentos que aportavam valores entre si, como um efeito cascata.

Assim, as administradoras e gestoras desses fundos conseguiam multiplicar os ganhos com taxas de administração, gestão e performance (esta quase sempre fraudada), criando uma espécie de dinheiro virtual e aumentando o risco dos investimentos, informou a PF.

Estima-se que o prejuízo causado seja de aproximadamente R$ 17,4 milhões apenas para os cofres do Rolim Previ.

Institutos 

Outros 65 institutos de previdência do país investiram em fundos administrados por uma das instituições investigadas na Operação Fundo Fake.

Segundo a PF, calcula-se que R$ 500 milhões de RPPSs foram aportados nestes fundos fraudulentos (“fundos fake”), valor que é objeto de bloqueio judicial determinado pela Justiça Federal.

Um dos gestores do Rolim Previ foi afastado. Ele já era alvo de uma investigação anterior da PF, acusado de gestão fraudulenta.

Os investigados serão ouvidos nas sedes da Polícia Federal e responderão por crimes contra o sistema financeiro nacional, corrupção ativa e passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Fonte: CNN

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em
X