Carro da McLaren, com logo da Petrobras — Foto: Reprodução/Twitter/McLaren
Carro da McLaren, com logo da Petrobras — Foto: Reprodução/Twitter/McLaren

A Petrobras (PETR4.SA) encerrou um contrato de patrocínio com a equipe de Fórmula 1 McLaren, de 163 milhões de libras esterlinas, segundo documento publicado pelo Ministério da Economia nesta quinta-feira.

O contrato, assinado em 2018, marcou o retorno da petroleira estatal às pistas, por meio de uma parceria técnica que previa ainda fornecimento de combustível e óleos lubrificantes, além do compartilhamento de tecnologias entre as duas empresas.

“Um injustificável contrato de patrocínio da Petrobras à equipe McLaren de Fórmula 1 —no valor de 163 milhões de libras esterlinas— foi encerrado”, afirmou o documento, elaborado pela Secretaria de Política Econômica, que detalha as ações do governo em seus primeiros nove meses.

Segundo uma fonte próxima às conversas entre as duas empresas, o contrato da McLaren com a Petrobras ainda segue em curso, mas seu término de fato está sendo negociado entre as partes. A expectativa é que o fim do contrato por acordo mútuo seja anunciado em breve.

Leia também: Cartel aterroriza cidade do México e liberta filho de El Chapo

Para que isso ocorra, a Petrobras deverá pagar uma taxa à McLaren. Os 163 milhões de libras — cerca de 870 milhões de reais, pelo câmbio atual — não correspondem exclusivamente ao patrocínio pago à escuderia pelo direito de ter a marca exposta, que tem “valor substancialmente menor”, segundo essa fonte, que falou na condição de anonimato.

O governo não informou os motivos para o encerramento e também não detalhou se houve consequências, como o pagamento de multas. Também não disse se alguma parte do contrato havia sido mantida.

A Petrobras não comentou o assunto. Procurada, a McLaren informou via assessoria de imprensa nesta sexta-feira que “os assuntos são comercialmente confidenciais e que, por isso, não poderia fazer comentários adicionais no momento”.

O presidente Jair Bolsonaro havia publicado em sua conta no Twitter, em maio, que por decisão de seu governo a Petrobras estava buscando uma maneira de rescindir o contrato com a McLaren, também sem apresentar os motivos.

A nova gestão da Petrobras aprofundou um programa de cortes de custos e desinvestimentos, para que a empresa possa focar investimentos em ativos essenciais, como a exploração do pré-sal.

O contrato foi assinado sob a gestão do então presidente da Petrobras Pedro Parente.

À época, a empresa informou que o acordo previa a exposição da marca da empresa nos carros, uniformes e nas instalações da equipe já na temporada daquele ano, e o fornecimento de gasolina e lubrificantes especialmente formulados para a escuderia para uso nas corridas em 2019.

O desenvolvimento dos produtos para a McLaren ocorreria, ao longo de 2018, no centro de pesquisas da Petrobras (Cenpes), na cidade do Rio de Janeiro.

A Petrobras não detalhou à época o valor e o prazo total do contrato, limitando-se a dizer que seria uma parceria de “longo prazo”. Em uma apresentação, publicada no site da empresa, a petroleira apontou que pelo menos até 2022 haveria fornecimento de produtos a escuderia.

No passado, a Petrobras participou na Fórmula 1 a partir de contratos com a equipe Williams, de 1998 a 2008 e de 2014 a 2016.

Fonte: Reuters

1 COMENTÁRIO

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.