Duas embarcações naufragaram na Baía de Sepetiba, em Itaguaí, na Região Metropolitana do Rio, nesta sexta-feira. Pelo menos cinco pessoas morreram, segundo o delegado Moysés Santana, titular da 50ª DP (Itaguaí). Quatro corpos foram resgatados por bombeiros. A quinta vítima chegou a ser socorrida, mas morreu no hospital, informou o delegado.

A Marinha, por meio do Comando do 1° Distrito Naval, informou que as embarcações pesqueiras “Lucas Mar” e “Guto I” afundaram na região de Laminha. Ainda na madrugada, a Delegacia da Capitania dos Portos em Itacuruçá enviou quatro barcos para auxiliar nas buscas.

As embarcações levavam 21 pessoas, das quais 12 foram resgatadas até as 10h15, segundo a Marinha. Elas foram levadas para hospitais da região. A força vai investigar em um inquérito as causas da ocorrência e as responsabilidades dos envolvidos.

Três sobreviventes conseguiram nadar logo após o acidente e saíram da água por conta própria. Até as 8h45, os bombeiros haviam conseguido resgatar mais seis vítimas, que receberam atendimento médico.

Um pessoa está no Hospital São Francisco Xavier, em Itaguaí, com pequenas escoriações pelo corpo. Três vítimas foram levadas para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Santa Cruz e liberadas após atendimento médico.

As buscas continuam no local. Participam dela equipes dos quartéis de Sepetiba, Angra e o Grupo Busca e Salvamento da Barra da Tijuca. Equipes do 24º BPM (Queimados) foram deslocadas para a Ilha da Madeira. Policiais isolaram a área.

Mãe de pescador desaparecido em naufrágio na Baía de Sepetiba, em Itaguaí, chora enquanto aguarda notícias do filho
      Mãe de pescador desaparecido em naufrágio na Baía de Sepetiba, em                Itaguaí, chora enquanto aguarda notícias do filho Foto: Marcio Alves        

Sobrevivente do naufrágio, o pescador identificado como Marlo disse à GloboNews TV que na hora do acidente ventava e chovia forte:

Paramos para poder pescar, ancoramos o barco e, de repente veio um vento muito forte, e o barqueiro disse que deveria ser um vento Sudoeste. Ele disse para recolhermos o material para puxar a âncora. O vento entrou muito forte, entramos na cabine. Caiu uma chuva muito forte e ninguém conseguia ver ninguém. Nem o companheiro do lado. O barqueiro tentou sair com o barco pelo lado esquerdo e veio a naufragar. Durou uns 15 segundos. Foi muito rápido. Veio de uma forma extraordinária. Nem tenho palavras.

Segundo a secretaria da Associação de Pescadores e Lavradores da Ilha da Madeira (Aplim), as vítimas eram pescadores que moravam na região e tinham saído para o mar aberto, como de costume. O presidente da Aplim, Sergio Hiroshi Okasaki, explicou que as condições do tempo causaram o acidente.

É gente da região aqui. A gente sabe que passou um vento forte, trovoada. No lugar em que centraliza o vento, os barcos estavam nessa direção e vieram a fundo. Do barco que estava mais próximo, três sobreviventes vieram nadando, uma embarcação recolheu esses e deu suporte. Acionamos vários barcos para adiantar uma busca — frisou Sergio.

O Corpo de Bombeiros informou que foi acionado meia-noite e vinte. Os barcos, segundo informações iniciais, haviam sido alugados por pescadores.

Em redes sociais, algumas pessoas lamentaram a tragédia:

“Senhor! que triste esse acidente dos pescadores em Itaguaí, que Deus console o coração dos familiares e amigos que perderam seu ente querido”.

Fonte: Extra

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here