Chinese (Simplified)EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

Resgate de trabalhadores chineses presos em mina de ouro pode levar mais 15 dias

Equipes de resgate conseguiram enviar alimentos, suprimentos médicos e cobertores por um poço para 10 trabalhadores presos em mina de ouro.

Publicado em

As autoridades da China dizem que pode levar mais 15 dias para perfurar 70 toneladas de destroços para chegar aos mineiros presos no subsolo há quase duas semanas após a explosão de uma mina de ouro no leste do país.

Leia Também: Estrangeiros chegando aos EUA terão de passar por testes e quarentena

Vinte e dois mineiros ficaram presos a pelo menos 600 metros de profundidade após a explosão em 10 de janeiro na cidade de Qixia, na província de Shandong.

Continua depois da publicidade

No domingo (17), as autoridades confirmaram que 11 estão vivos, depois que equipes de resgate conseguiram perfurar um canal em uma seção da mina e instalar uma linha telefônica, de acordo com a agência de notícias estatal chinesa Xinhua.

Acredita-se que um mineiro morreu após sofrer um ferimento na cabeça na explosão, disse a mídia estatal.

Dez pessoas estão presas em uma câmara da mina de ouro a 600 metros da entrada e estão em contato com equipes de resgate. Acredita-se que um mineiro esteja preso em outra área, enquanto o paradeiro de outros 10 trabalhadores ainda é desconhecido.

Esforços têm sido feitos para alcançar os trabalhadores desde que a explosão ocorreu a cerca de 240 metros da entrada da mina.

Alimentos, suprimentos médicos, cobertores e lotes de soluções nutritivas foram passados ??por um poço para os 10 trabalhadores, que mostraram uma “melhora gradual” em sua condição física, de acordo com equipes de resgate citadas pela Xinhua.

De acordo com a mídia estatal, as equipes de resgate esperam retirar os mineiros por meio de uma passagem de 71 centímetros de diâmetro. Até a quinta-feira (21), as equipes de resgate tinham 18 metros no poço da mina, mas detritos pesados ??podem retardar os esforços.

Gong Haitao, vice-chefe do departamento de publicidade de Yantai, disse em entrevista coletiva na quinta-feira que o poço da mina está bloqueado entre 350 a 446 metros abaixo da superfície por 70 toneladas de entulho.

“Embora a eficiência (do trabalho de resgate) tenha melhorado desde o dia 20, levará pelo menos 15 dias para liberar o canal de resgate no poço principal devido ao tamanho volumoso dos obstáculos”, disse Gong. Os mineiros já estão presos no subsolo há 12 dias.

Gong acrescentou que os socorristas tentam várias maneiras diferentes de limpar os obstáculos, incluindo o uso de máquinas de alta potência e o envio de mais equipes de resgate.

A preocupação com os trabalhadores que ainda não foram localizados, porém, aumenta a cada dia.

Alguns mineiros na câmara tentam ajudar as equipes de resgate a localizar seus colegas desaparecidos usando ponteiros de laser e alto-falantes, mas não obtiveram resposta, informou a Xinhua.

As equipes de resgate também perfuraram canais menores em outras seções da mina e estão reduzindo as soluções de nutrientes e outros meios para detectar respiração ou movimento, mas nenhum sinal de vida foi encontrado.

Os primeiros sons de batidas vindos dos presos foram ouvidos no domingo (17), seguidos de sons de ferro em movimentação. Na segunda-feira (18), os mineiros conseguiram enviar um bilhete para as equipes de resgate.

A Xinhua afirmou que a nota dizia: “Estamos extremamente exaustos e precisamos urgentemente de remédios para o estômago, analgésicos, esparadrapo, anti inflamatórios; três pessoas têm hipertensão”.

Explosões e mortes não são incomuns nas minas chinesas. Em setembro, pelo menos 16 trabalhadores no sudoeste da China morreram depois de ficarem presos no subsolo em uma mina de carvão e expostos a níveis inseguros de monóxido de carbono, informou a mídia estatal.

Em 2016, dezenas de trabalhadores também morreram após uma explosão de gás em uma mina de carvão na cidade de Chongqing.

Por: CNN Brasil

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em