EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

Irã emite mandado de prisão contra Trump e pede ajuda da Interpol, diz agência

Pedido de prisão foi tomado por causa do assassinato do general iraniano Qassem Soleimani. EUA classificou a medida como 'golpe de propaganda'.

Publicado em

O Irã emitiu um mandado de prisão para o presidente americano, Donald Trump, e outras 35 pessoas pelo assassinato do general Qassem Soleimani e pediu ajuda à Interpol.

A afirmação foi feita pelo promotor de Teerã, Ali Alqasimehr, nesta segunda-feira (29), segundo a agência de notícias iraniana de notícias Fars.

Para os Estados Unidos, a medida iraniana é um “golpe de propaganda que ninguém leva a sério”.

O promotor iraniano afirmou que os mandados foram emitidos sob a acusação de ação terrorista e de assassinato de Qassem Soleimani, chefe de uma unidade especial da Guarda Revolucionária do Irã e um dos homens mais poderosos do país.

Leia Também: Candidata a vacina contra Covid-19 da CanSino é aprovada para uso militar na China

Irã emite mandado de prisão contra Trump por causa do assassinato de Soleimani

Ele foi morto em um ataque com drone dos Estados Unidos em Bagdá, no Iraque, em janeiro.

A ordem para que o general fosse executado partiu de Donald Trump. Washington acusou o general de orquestrar ataques de milícias alinhadas ao Irã contra forças norte-americanas na região.

Alqasimehr afirmou que o Irã pediu à Interpol para emitir um “aviso vermelho” para Trump e as outras autoridades civis e militares dos EUA que são acusadas ​​pela República Islâmica de participar do ataque.

Ainda segundo o promotor, o Irã continuará a investigar o assunto após o término do mandato presidencial de Trump. O mandatário americano concorre à reeleição no início de novembro.

‘Golpe de propaganda’

O enviado norte-americano para o Irã, Brian Hook, afirmou que a iniciativa iraniana é um “golpe de propaganda”, segundo a France Presse.

“Nossa avaliação é de que a Interpol não intervém e não emite alertas vermelhos baseados em natureza política”, disse Hook ao lado do ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel al-Jubeir, em Riad.

“Esse é de natureza política. Isso não tem nada a ver com segurança nacional, paz internacional ou promoção da estabilidade. É um golpe de propaganda que ninguém leva a sério”, completou Hook.

Em foto de 2016, Qassem Soleimani, chefe da Guarda Revolucionária Iraniana, participa de um reunião em Terrã, no Irã — Foto: Office of the Iranian Supreme Leader via AP, Arquivo
Em foto de 2016, Qassem Soleimani, chefe da Guarda Revolucionária Iraniana, participa de um reunião em Terrã, no Irã — Foto: Office of the Iranian Supreme Leader via AP, Arquivo

Após o ataque em Bagdá que matou o general iraniano, o Irã prometeu vingança e fez um ataque contra bases que abrigavam tropas americanas no Iraque.

Horas depois, um avião ucraniano com 176 pessoas foi derrubado logo após decolar do aeroporto de Teerã. Dias depois a Guarda Revolucionária assumiu o erro.

Na época, os militares afirmaram que o avião voava perto de um local sensível e foi derrubado devido a um erro humano.

Fonte: G1

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em
X