Chinese (Simplified)EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

Hospital Delphina Aziz atinge menor taxa de ocupação desde pico da pandemia

Em abril, Hospital Delphina Aziz atingiu capacidade máxima operacional por conta da falta de funcionários e grande número de internados. Governo diz que unidade registrou menor ocupação neste domingo (23).

Publicado em

O Hospital Delphina Aziz, unidade referência no tratamento de paciente com Covid-19 no Amazonas, atingiu sua menor taxa de ocupação neste domingo (23), desde o pico da pandemia no Estado, registrado entre abril e maio.

Conforme a Secretaria de Estado de Saúde (Susam), a taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) está em 27%, a de leitos clínicos é de 36%, e de sala vermelha, 10%.

Em todo o Amazonas, até sábado (22), mais de 115 mil pessoas haviam sido infectadas pelo novo coronavírus, e mais de 3,5 mil morreram.

Continua depois da publicidade

De acordo com a Susam, do total de 105 leitos de UTI disponíveis na unidade para pacientes com Covid-19, 28 estão ocupados e 77 livres.

Leia também Incêndios aumentam 8% no Amazonas ante a 2019

E, dos 251 leitos clínicos, apenas 91 estão ocupados, e os 160 restantes, livres. A unidade possui ainda 10 leitos de sala vermelha, com apenas um ocupado.

Capacidade máxima

O Hospital Delphina Aziz chegou a atingir a capacidade máxima operacional no mês de abril, por conta da falta de funcionários e grande número de internados com a doença.

Com a redução no número de hospitalizações, o número de leitos exclusivos para pacientes com Covid-19 já foi reduzido pela metade na rede estadual de saúde.

A Susam informou que trabalha no planejamento para, a partir de setembro, reabrir o hospital de referência para os demais atendimentos da rede de saúde.

Ele deve ser transformado em um hospital geral de grande porte, especializado em cirurgias eletivas e também de transplante.

De acordo com o secretário de Estado de Saúde interino, Marcellus Campêlo, durante a pandemia, o governo ampliou a capacidade de leitos de 132 para 366, e agora esse potencial será utilizado para fazer do Delphina a grande unidade de retaguarda da rede, ajudando a desafogar outras unidades e a reduzir as filas da saúde.

Os dois hospitais que foram abertos em Manaus durante a pandemia, diante de um colapso no sistema público de saúde, já fecharam suas portas.

Um deles foi o hospital de campanha da Prefeitura de Manaus, e outro foi o Hospital de Combate à Covid-19 (Hospital Nilton Lins) do Governo do Estado.

Fonte: G1 Amazonas

 

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em
X