Produto existe em Manaus há pelo menos trinta anos | Foto: Reprodução/TV Em Tempo
Produto existe em Manaus há pelo menos trinta anos | Foto: Reprodução/TV Em Tempo

Quem nunca comeu um x-caboquinho não pode dizer que é manauara. A iguaria faz parte da cultura de Manaus há décadas, e agora esse ícone da gastronomia pode se tornar patrimônio histórico imaterial da cidade.

O projeto foi apresentado na Câmara Municipal na última semana.

Nas banquinhas de café da manhã de Manaus, o x-caboquinho é sensação entre os amazonenses.

Surgiu em Manaus há mais ou menos 30 anos e leva quatro ingredientes básicos: pão, banana frita, queijo coalho e tucumã.

A iguaria acabou se tornando um sucesso na capital. A empresária Lili Viane já trabalha no ramo de café da manhã há cinco anos, e conta que o x-caboquinho é o carro-chefe da casa.

O sucesso do produto é tanto que o vereador Isaac Tayah (PSDC) apresentou um projeto de lei na Câmara Municipal de Manaus, que eleva o x-caboquinho à condição de patrimônio histórico imaterial da cidade.

Segundo ele, o reconhecimento da iguaria tem o objetivo de perpetuar a preservação do sanduíche como legado para as futuras gerações.

E a aceitação entre os parlamentares tem sido positiva. Para garantir essa preservação do x-caboquinho, o vereador vai entrar com o processo de patente do tucumã.

Segundo os especialistas, o tucumã é a fibra do fruto e ajuda também na digestão. De acordo com a a Embrapa, o tucumã da amazônia é único.

Em outros estados, ele muda de cor e até de sabor, e muitas vezes nem chega a ser usado como iguaria, mas em Manaus é um verdadeiro sucesso.

Leia Também: Governo Federal estuda ‘Plano Dubai’ para substituir Zona Franca de Manaus
Fonte: Em Tempo

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.