Churrasco: Nesse restaurante de Tóquio, o cachorro senta na mesa com o cliente (Foto: Reprodução)
Churrasco: Nesse restaurante de Tóquio, o cachorro senta na mesa com o cliente (Foto: Reprodução)

No Japão, a maioria dos restaurantes especializados em carne oferece uma enorme variedade de cortes de churrasco, capazes de agradar todo os gostos. Ou talvez fosse melhor dizer, todos os gostos humanos.

A rede Ushisuke decidiu adotar uma prática totalmente diferente de suas concorrentes. Em seus restaurantes, os clientes são convidados a levar seus cachorros para que sentem na mesa e comam ao lado deles.

Segurança no churrasco

Churrasco: Uma refeição especial para a cliente e seu companheiro (Foto: Reprodução)
Churrasco: Uma refeição especial para a cliente e seu companheiro (Foto: Reprodução)

O ambiente conta com treinadores profissionais para acompanhar os pets e decoração especial com temas caninos. A ideia é que os animaizinhos possam aproveitar uma refeição especial em um ambiente aconchegante para eles.

Todos os pratos com carne foram previamente aprovados para os veterinários. A apresentação é tão caprichada quanto a dos pratos para humanos: a proposta é que os cachorros se sintam parte da família.

Cuidados e Higiene

Churrasco: Dá até pena de comer a cenoura em forma de patinha (Foto: Reprodução)
Churrasco: Dá até pena de comer a cenoura em forma de patinha (Foto: Reprodução)

Para aproveitar as facilidades da rede, cães e seus donos precisam seguir algumas regras rígidas: seres de quatro patas não podem usar utensílios destinados a humanos, e nem subir em cima das mesas. Dessa maneira, os sócios podem garantir um ambiente higiênico para todos os clientes, quer levem cachorros ou não.

A rede Ushisuke conta com quatro unidades em Tóquio, cada um com um menu diferente. Para quem opta pela novidade, uma das vantagens é oferecer algo novo ao bicho de estimação, longe das rações tradicionais. A outra é não ter que abrir mão da companhia do cão, nem por um minuto.

Leia Também: Como identificar dor em gatos? Conheça os sinais mais comuns
Fonte: Revista PEGN

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.