EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish
sexta-feira 10

de

abril

Menu

Novo chip japonês resolve problema de 1200 anos em um segundo

Pesquisadores do Japão desenvolveram um chip que consegue resolver instantaneamente um cálculo de programação que processadores comuns levariam cerca de 1200 anos

Você pode nunca ter ouvido falar nele, mas o “ problema do caixeiro viajante ” é um clássico da  computação : “dado um número de cidades, como encontrar o caminho mais curto que passe por todas elas?”.

Pode parecer um exercício fútil, mas é um exemplo de  otimização combinatória , algo fundamental no cálculo de rotas no trânsito, análise molecular de medicamentos, análise de portfólios financeiros em busca de investimentos com o maior retorno e menor risco, e outros cenários onde vários parâmetros, e a interação entre eles, deve ser considerada.

Quanto maior o número de elementos (ou cidades, no exemplo acima) a serem considerados, mais tempo de  computação  é necessário para chegar a uma solução ideal. É por isso que um novo  chip , desenvolvido por pesquisadores do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade de Ciências de  Tóquio , no  Japão , está chamando a atenção.

Leia Também: PlayStation 5 deve ser revelado em fevereiro

De acordo com o professor Takayuki Kawahara, líder da equipe, o novo chip consegue calcular uma solução para 22 cidades instantaneamente, algo que em um  processador  tradicional “de alto desempenho” levaria 1.200 anos.

Pesquisadores vem há tempo estudando soluções para o problema usando circuitos integrados. Entretanto, elas exigiam pré-processamento e o número de componentes (e tempo) necessários para entrada dos dados aumentava de acordo com a escala do problema. Por isso, técnicas já existentes conseguiam encontrar uma solução para no máximo 16 elementos.

O que a equipe do Professor Kawahara fez foi rearranjar os elementos do circuito, de forma que a quantidade de “células” necessárias para armazenar cada estado possível, e o tempo necessário para o cálculo, fossem drasticamente reduzidos.

Os autores apresentaram seus resultados na 18ª edição do  Simpósio Mundial para Inteligência de Máquina Aplicada e Informática  (SAMI 2020). Eles esperam que, no futuro, sua solução possa ser usada em sistemas de alto desempenho e baixo consumo de energia, para facilitar a descoberta de soluções ótimas para grandes números de combinações.

Fonte: IG Tecnologia 

 

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em

X