Juiz absolveu Temer do crime de obstrução de justiça no caso da conversa gravada com o empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F (Foto: Arquivo/César Itiberê/PR)
Juiz absolveu Temer do crime de obstrução de justiça no caso da conversa gravada com o empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F (Foto: Arquivo/César Itiberê/PR)

O juiz Marcus Vinícius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal de Brasília, absolveu, nesta quarta-feira (16), o ex-presidente Michel Temer do crime de obstrução de justiça no caso da conversa gravada entre ele e o empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F.

Temer havia sido denunciado, em 2017, pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Ainda cabe recurso da decisão ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) por parte do Ministério Público Federal (MPF).

A denúncia foi feita com base em uma conversa por telefone gravada por Joesley, na qual Temer, já presidente, responde “tem que manter isso aí, viu?”, a uma fala sobre a boa relação mantida pelo empresário com ex-deputado Eduardo Cunha, preso, em Curitiba, no âmbito da ‘Lava Jato’.

Para Janot, a fala configurou uma tentativa de Temer embaraçar as investigações sobre uma organização criminosa no MDB, por conotar que o ex-presidente desejava comprar o silêncio do ex-deputado, segundo a interpretação do ex-PGR.

Leia também: Damares participa da 5ª Conferência Parlamentar Evangélica, em Manaus

Conversa frágil

Para o juiz Marcus Vinícius Reis Bastos, porém, a conversa “é frágil” para sustentar uma acusação, sendo que “o diálogo quase monossilábico entre ambos evidencia, quando muito, bravata do então presidente da República, Michel Temer, muito distante da conduta dolosa de impedir ou embaraçar concretamente investigação de infração penal que envolva organização criminosa”.

O magistrado afirmou, ainda, na decisão em que absolve sumariamente Temer e arquiva o caso, que a denúncia distorceu o teor do áudio, “sem considerar interrupções e ruídos, consignando termos diversos na conversa, dando interpretação própria à fala dos interlocutores”.

Após a decisão, o advogado Eduardo Carnelós, que representa Temer no caso, divulgou nota em diz que a “decisão traz o reconhecimento de que o grande escândalo com o qual se tentou derrubar um presidente da República baseou-se na distorção de conversa gravada, pois o conteúdo verdadeiro dela nunca indicou a prática de nenhuma ilegalidade por parte dele. E foi a partir dessa distorção que outras foram praticadas, para formular descabidas acusações contra um homem honrado”.

Fonte: D24AM

1 COMENTÁRIO

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.