De acordo com o presidente Joelson Silva, a vinda dos representantes do Executivo à Câmara, foi tomada em momento oportuno (Foto: Aguilar Abecassis/CMM/Divulgação)
De acordo com o presidente Joelson Silva, a vinda dos representantes do Executivo à Câmara, foi tomada em momento oportuno (Foto: Aguilar Abecassis/CMM/Divulgação)

Após decisão tomada em comum acordo com o colegiado de líderes, a Câmara Municipal de Manaus (CMM) decidiu convidar a Prefeitura de Manaus para prestar esclarecimentos sobre como tem conduzido as acusações de uso indevido da máquina pública, feitas por meio de notícias veiculadas na mídia local, no caso que gerou o homicídio do engenheiro Flávio Rodrigues.

O convite foi oficializado, nesta terça-feira (8), por meio de ofício assinado pelo próprio presidente da Casa Legislativa, vereador Joelson Silva (PSDB), em consonância com todos os vereadores presentes na sessão plenária.

De acordo com o presidente Joelson Silva, a vinda dos representantes do Executivo à Câmara, foi tomada em momento oportuno, e com intuito de informar à população sobre as providencias tomadas diante das denúncias que apontam suposto uso indevido da estrutura pública do município no caso.

É preciso, no entendimento do parlamentar, por um basta na guerra de contra informação promovida com intuito meramente eleitoreiro.

“Eu não procuro ficar na mira dos holofotes, isso não me interessa. Tenho compromisso e comprometimento com esta Casa e com a sociedade, assim como cada um dos vereadores que hoje se indignam com acusações levianas, que tentam denegrir a imagem deste Poder”, afirmou Joelson Silva.

“Quem está cuidando desse caso, neste momento, é a polícia, e por isso não queremos queimar etapas antes da investigação ser concluída”, disse o presidente.

De acordo com o líder do prefeito na CMM, vereador Marcel Alexandre (PHS), é importante que todas as informações sejam esclarecidas, mas no seu devido tempo, e que o Poder Legislativo Municipal respeite o momento doloroso que a família enfrenta neste momento.

Leia também: Bolsonaro veta projeto que exige psicólogos em escolas públicas

“Eu vi as lágrimas derramadas pela mãe do engenheiro, durante a missa de sétimo dia, enquanto ela pedia por justiça, e é isso que nossa Casa vai fazer, para que a justiça seja feita, por meio desse ofício que será levado à prefeitura”, disse.

Palanque

Ainda nesta terça-feira, o vereador Coronel Gilvandro Mota (PTC) fez duras críticas ao vereador Chico Preto (sem partido) que, segundo Gilvandro, tenta transformar a investigação policial do caso Flávio Rodrigues em um palanque político.

“Covarde, covarde e covarde”, disparou o vereador do PTC. “Eu não tenho vínculo, senão apenas institucional, com a prefeitura e com o prefeito Arthur Virgílio Neto, que trabalha em prol dessa cidade. A imprensa deveria saber disso. O vereador Chico Preto, quem fez tudo isso contra essa Casa, foi o mesmo que se beneficiou da lei, quando ele tinha direito a sua segurança de seus familiares”, disse Gilvandro Mota.

“Ele (Chico Preto) podia ser culpado por não ter contratado um serviço particular para transportar os valores até sua casa. Chico Preto foi absolvido pela justiça e nós o respeitamos”, completou Mota.

Ainda durante a plenária, o vereador Gilvandro pediu cautela sobre a eventual interferência política no episódio.

Fonte: D24AM

1 COMENTÁRIO

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.