Deixando para trás a queda para os líderes Estados Unidos, a seleção brasileira feminina de vôlei venceu a Rússia por 3 a 2 (15/25, 25/21, 25/20, 19/25 e 17/15) nesta quinta-feira em Jiangmen, na China, e deu um importante passo em direção à classificação para a fase final da Liga das Nações. Os inúmeros erros da equipe, no entanto, tornaram o triunfo sofrido, porém fundamental para a busca de uma das cinco vagas em disputa (por sediar a etapa decisiva, a China já está garantida).

Irresistível, Tandara foi o grande destaque do Brasil, agora com 28 pontos e reassumindo provisoriamente a segunda colocação. A Turquia, surpresa da competição, tem o mesmo número de pontos, mas leva a pior no saldo de sets. A Sérvia, que ainda joga nesta quinta contra a Holanda, pode pular direto para o segundo lugar caso vença.

Mesmo inconstante, a seleção teve no bloqueio o seu principal fundamento. Foram 18 pontos no total, contra nove das russas. O saque também entrou: foram 12 pontos – as rivais fizeram um a menos.

Na luta por mais um triunfo, as meninas comandadas por José Roberto Guimarães voltam à quadra no dia 12, agora em solo italiano. A rival da vez será a Bélgica, às 12 horas (de Brasília) e novamente com transmissão do SporTV 2, iniciando a quarta semana da Liga do torneio.

O jogo

Parecendo mais ligado que no compromisso contra as americanas, o time brasileiro começou forte o embate fazendo 6 a 3, mas rapidamente a Rússia virou para 7 a 6 e partiu para a parada técnica com 8 a 7 para o seu lado. O bom saque de Bia fez com que a seleção voltasse à dianteira, mas a resposta veio na sequência. Sacando com veneno, Ekaterina Efimova promoveu um estrago na recepção do Brasil, e as europeias abriram oito pontos (20 a 12), encaminhando a fácil vitória no set inicial (25 a 15) em apenas 23 minutos.

O destacado número de erros (nove contra apenas um das oponentes) justificou a péssima atuação do Brasil na parcial inicial. Parecendo outro, o time dirigido por Zé Roberto pareceu acordar após o intervalo, logo abrindo 6 a 0. Retornando da parada técnica com a vantagem de 8 a 3, a seleção voltou a oscilar, permitindo a reação das adversárias, que reduziram para 11 a 10 e depois viraram (16 a 15). Com o bloqueio aparecendo, o selecionado brasileiro cresceu no fim do segundo set e fechou em 25 a 21 após um fulminante ataque de Tandara.

Mesmo desperdiçando seguidos contragolpes, a equipe nacional fez 8 a 5 no começo da terceira parcial. Desfalcado de algumas importantes peças, o time russo também errava muito, e o Brasil se aproveitou, distanciando-se no placar (13 a 6). A margem que a seleção colocou aos poucos foi escapando pelos dedos e foi embora (19 a 19). Sempre liderado por Tandara, a equipe brasileira recuperou a força e definiu a parcial (25 a 20) em novo ataque mortal da oposta, virando o placar para 2 a 1.

A fim de definir o triunfo, a seleção iniciou bem o quarto set. Com uma postura dominante, fez 8 a 4 antes da primeira parada técnica. a seleção seguia bem até voltar a exagerar nas falhas, permitindo mais uma vez a recuperação das rivais, que chegaram ao empate (13 a 13), passaram à frente outra vez, cravaram 25 a 19 e empataram o jogo.

O tie-break começou lá e cá, com as equipes se alternando na liderança do marcador, até o Brasil colocar dois pontos de frente (7 a 5). Voltando a errar na recepção, as meninas viram as russas virarem para 10 a 9. Mas, inspirada, Tandara tratou de recolocar a seleção em vantagem (11 a 10). E, com um saque de Bia, sem recepção do outro lado, a seleção fez 17 a 15 e enfim selou a sofrida vitória em Jiangmen.

O Brasil começou jogando com Roberta, Adenízia, Tandara, Gabi, Amanda, Bia e a líbero Suelen. Entraram no decorrer Drussyla, Rosamaria, Monique, Macris e Carol. Com impressionantes 30 pontos, Tandara foi o nome do jogo. Natalia Malykh, com 17, terminou como a principal anotadora do selecionado russo.

Fonte: GE

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here