Foto: (Reprodução)

Derrotado por 1 a 0, o Botafogo anuncio que vai entrar com um pedido de anulação da partida contra o Palmeiras, que aconteceu na tarde de sábado, dia 25, no Estádio Mané Garrincha, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro.

Segundo o clube, o assistente de vídeo foi utilizado de forma incorreta na partida. A equipe se baseia na regra 5 da Fifa e no protocolo 8.12 do VAR, que alega que a decisão do árbitro não pode ser alterada após o reinício da partida.

O lance da reclamação aconteceu quando o goleiro Gatito soltou a bola na finalização do atacante Dudu, do Palmeiras. Gabriel, do Botafogo, pisou no tornozelo direito de Deyverson , do Palmeiras, que caiu no gramado. Primeiro, o árbitro Paulo Roberto Alves Junior deu cartão amarelo para o atacante alviverde por simulação. Depois, o juiz foi alertado pelo VAR e foi conferir as imagens, quando sinalizou o marcou o pênalti, que foi convertido por Gustavo Gómez

O Botafogo alega que a partida já havia sido reiniciada depois que Deyverson recebeu o cartão amarelo. Gatito, então, dá a saída de jogo, toca a bola para Gabriel, que devolveu ao paraguaio antes que Paulo Roberto apitasse e paralisasse a partida para receber a ajuda do VAR

O QUE DIZ A REGRA?

O protocolo do VAR informa que as decisões devem ser tomadas antes que a bola entre em campo novamente, porém, em um dos tópicos, ele afirma que um jogo, a princípio, não pode ser invalidado em quatro situações. Uma delas é ”em caso de revisão de uma situação/decisão não passível de revisão”, que seria o caso do lance reclamado pelo  Botafogo .

Leia Mais: Com dois gols no fim, Flamengo vence Athletico e sobe na classificação
Fonte: Esportes IG

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.