Chinese (Simplified)EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

Pesquisadores dizem ter encontrado cura para a ressaca

Publicado em

Dor de cabeça, azia, má digestão e cansaço. Tem ressaca que parece doença.

Pesquisadores finlandeses, porém, afirmam ter encontrado uma cura para aqueles que exageraram no álcool na noite anterior (ou dia, vai saber).

O estudo foi conduzido pela Universidade de Henisque e pela Universidade do Leste da Finlândia e recrutou 19 homens.

Continua depois da publicidade

Leia também: Conheça os principais alimentos responsáveis pelo amarelado nos dentes

Os escolhidos passaram a noite inteira bebendo uma combinação de suco de cranberry e Kosenkorva, destilado finlandês.

DI Online - Como curar a ressaca com menos de R$ 15 em Chapecó?

O número de drinques ingerido pelos participantes foi determinado de acordo com o peso de cada um. Pessoas mais magras beberam menos, pessoas mais pesadas beberam mais.

Bêbados

“Eles estavam realmente bêbados, mas ninguém estava intoxicado a ponto de cair”, disse o pesquisador Markus Metsälä, da Universidade de Helsinque.

Os pesquisadores então distribuíram três pílulas aos participantes: um placebo, uma com 600 mg do aminoácido L-cisteína e outra com 1.200 mg do mesmo aminoácido. No dia seguinte, aqueles que tomaram a dose mais alta disseram estar se sentindo melhores do que os outros.

Os que tomaram a dose de 600 mg também tiveram benefícios no dia seguinte, como redução da ansiedade. Já os que tomaram placebo, bem, esses acordaram com uma ressaca de respeito.

“A L-cisteína ajuda a aliviar os sintomas e pode ser usada para tratar o vício em álcool”, afirmaram os envolvidos no estudo.

Outro fato curioso sobre esse estudo é que ele foi financiado pela empresa finlandesa Catapult Cat, que faz comida para gatos. A companhia também vende suplementos de L-cisteína para humanos.

No Brasil, é possível encontrar L-cisteína e sites de suplementos alimentares – a recomendação dos estudiosos, porém, é não tomar o produto sem consultar um médico antes. E não exagerar com a bebida, claro.

A pesquisa completa foi publicada no jornal acadêmico “Alcohol and Alcoholism”, da Oxford Academic.

Fonte: MSN

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em
X