EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

O Império Ruiu – Governo do Amazonas versus a Transparência

A verba federal foi mais uma vez usada de má fé pelos gestores do estado e novamente quem pagou com a vida foi o povo.

Publicado em

O império instaurado no estado do Amazonas em uma época de pandemia foi a mais covarde ação já gerada por administradores público de uma secretaria de saúde. A excelentíssima Simone Araujo de Oliveira Papaiz que esteve à frente da SUSAM (Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas) conseguiu mostrar da melhor forma como não atuar em uma crise sanitária.

Recentemente, a Operação Sangria, mobilizada pela Polícia Federal, expediu 20 mandados de busca e apreensão e 08 de prisão temporária. Um dos nomes foi o de Simone, presa por suspeitas de fraude à licitação, peculato, pertencimento a organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Além do descrito, a inteligência da operação notificou o superfaturamento do preço dos equipamentos comprados em uma loja de vinhos da capital do estado. A perícia mostrou que o valor superfaturado em cada unidade foi de R$ 60.800,71.

Continua depois da publicidade

Somando assim, um império absurdo de desvios no valor de R$ 1.702.419,88 até R$ 2.198.419,88. Com isso, também foi identificado que o dinheiro foi repassado para exterior em uma conta de nome jurídico.

Wilson Lima, governador do Amazonas, teve seus celulares e tablet apreendidos ainda em Brasília, onde se encontrava no momento que foi expedido o mandado de prisão em seu nome. Entretanto, o governador negou a repassar suas senhas quando foi educadamente solicitado.

Agora, Simone Papaiz foi exonerada do cargo e mais uma vez a verba federal foi usada de má fé pelos gestores do estado e novamente quem pagou com a vida foi o povo.

Leia mais: Operação Sangria – Acerto de contas com o Estado do Amazonas

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em
X