Chinese (Simplified)EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

Consumidor migra para o online e tendência deve se manter, mesmo após a pandemia

Publicado em

O alastramento do coronavírus Covid-19 provocou o fechamento de diversos comércios e isolamento das pessoas em suas casas. O consumo durante este período ficou concentrado nas plataformas digitais e essa tendência deve seguir, mesmo após a retomada da economia.

Essa é a constatação feita pela pesquisa do Instituto Locomotiva sobre o interesse de consumo durante a pandemia. No total, eles ouviram a opinião de 2.006 pessoas em 72 cidades de todo o Brasil.

Leia também: Seis coisas que contam como traição, mesmo que não sejam físicas

Continua depois da publicidade

A pesquisa identificou que 50% dos entrevistados que costumavam ir a livrarias ou papelarias não pretendem voltar a ter esse hábito novamente. O percentual é elevado também em interessados em artigos para criança (49%), petshops (44%) e em lojas de departamento (41%).

A crise provocou uma digitalização rápida nos negócios para evitar o fechamento de milhares de empresas. Empresários investiram em redes sociais, sites e outras soluções para melhorar o posicionamento orgânico, gerar mais tráfego e atender a demanda que ficou concentrada em pedidos online ou por telefone.

“Durante mais de três meses, as pessoas passaram a digitalizar uma série de processos de compra. Isso fez com que a modalidade online se tornasse mais funcional. A experiência de compra vai passar a contar muito mais para justificar a ida do consumidor a uma loja física”, destacou Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva.

De acordo com a pesquisa, 10% dos entrevistados não compravam online, 45% compravam ocasionalmente, 24% eram consumidores ativos online, enquanto que 11% declararam que reduziram o consumo online. Apenas 10% dos ouvidos disseram que não tiveram ainda uma experiência de compra pela internet.

“Eu não tenho dúvida nenhuma de que [a compra online] veio para ficar. Nós tivemos pessoas que não compravam, passaram a comprar; e pessoas que só compravam algumas categorias e passaram a comprar outras categorias. E a frequência de quem já comprava cresceu também”, ressaltou Meirelles.

Fonte: Coesão

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em
X