Chinese (Simplified)EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

Inflação não dá trégua, mesmo com o PIB fraco

O BC passou a prever IPCA de 3,6% em 2021, taxa acima da mediana das projeções do mercado coletadas no boletim Focus, do BC, de 3,4%

Publicado em

Apesar de manter a taxa básica da economia (Selic) em 2% ao ano, na primeira reunião do ano do Comitê de Política Monetária (Copom), o Banco Central revelou desconforto com a inflação.

As pressões no custo de vida do brasileiro não diminuíram em janeiro, conforme dados do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre), colocando por terra os discursos dos diretores da autoridade monetária de que a forte alta dos preços na segunda metade de 2020 era “temporária”.

A mudança de opinião é apontada como motivo para a retirada forward guidance, instrumento de sinalização de manutenção dos juros básicos por um período mais prolongado, algo antes esperado apenas para o fim do ano.

Continua depois da publicidade

O Índice Geral de Preços — Mercado (IGP-M), indicador da FGV que é utilizado para a correção dos contratos de aluguel, por exemplo, acelerou 2,37% no segundo decêndio de janeiro, após subir 1,18% no mesmo período de dezembro, acumulando salto de 25,46% em 12 meses.

Leia também: Investidores evitam o Brasil e dólar sobe; Bolsa engata 3ª queda consecutiva

Enquanto o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), utilizado para o cumprimento da meta de inflação determinada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), avançou 4,52% no ano passado, o IGP-M teve alta de 23,1% em 2020, e, pelas projeções do economista André Braz, analista da FGV/Ibre, esse indicador continuará rodando em dois dígitos por um bom tempo, porque as commodities continuarão valorizadas ao longo de 2021.

Acima da meta

Não à toa, o BC passou a prever IPCA de 3,6% em 2021, taxa acima da mediana das projeções do mercado coletadas no boletim Focus, do BC, de 3,4%. Braz, por sua vez, estima que o IPCA encerrará o ano acima da meta de inflação, de 3,75% anuais, em um cenário básico, mas poderá acumular variação de 4,25% até dezembro, em um quadro mais pessimista.

O economista lembrou que o principal componente do IGP-M, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), é o que vem registrando as maiores variações, em grande parte, devido à alta dos preços das commodities e da valorização do dólar frente ao real, o que impacta diretamente nos preços dos alimentos — os grandes vilões da inflação do ano passado.

Segundo ele, as pressões inflacionárias devem persistir neste início de ano, apesar das incertezas sobre a retomada da atividade econômica diante dos tropeços e atrasos no programa de vacinação do governo federal. Ele lembrou que a difusão do IPCA do segundo semestre de 2020 foi crescente e ficou mais forte no último trimestre, encerrando o ano acima de 70%.

“Isso mostra que não são apenas os preços dos alimentos que pressionam a inflação, o que dificulta uma redução, porque a carestia está disseminada em vários setores”, explicou.

Braz prevê reajustes de forma mais intensa a partir de maio, “quando o BC deverá iniciar o aumento dos juros”, pelas estimativas dele. Segundo o analista, até mesmo alguns segmentos do setor de serviços (que deve levar muito mais tempo do que os demais para se recuperar da recessão) já estão repassando a inflação do ano passado para os preços.

Além disso, outros fatores devem pressionar os índices de preços, como a energia, devido aos reajustes anuais programados e também porque a bandeira vermelha, retirada em janeiro, poderá voltar a partir do meio do ano, quando começa novo período de estiagem.

“Neste ano, devido ao efeito La Niña, deverá ter menos chuvas, e, portanto, há risco de queda no nível dos reservatórios, o que impacta no custo da energia”, acrescentou.

O economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale, prevê alta de 3,8% no IPCA deste ano, acima da expectativa do mercado, avaliando que os preços das commodities não vão cair, o dólar continuará acima de R$ 5, e porque os reajustes represados em 2020 vão ocorrer neste ano.

“São diversas pressões pontuais. Os preços dos alimentos devem continuar puxando a inflação, mas com menos intensidade do que no ano passado”, explicou. Ele reconhece que, mesmo com as chances de o Produto Interno Bruto (PIB) apresentar queda no primeiro trimestre, a inflação continuará em alta.

O fim do auxílio emergencial é um fator que ajuda a reduzir a pressão inflacionária, mas deve ajudar na piora do desempenho da economia.

O benefício, interrompido em dezembro, injetou R$ 296 bilhões na economia e foi importante para evitar uma queda ainda maior do varejo. Pelas projeções da consultoria, o PIB do primeiro trimestre deverá encolher 0,1%. “Mas deveremos rever para baixo”, adiantou Sergio Vale.

Por: Correio Braziliense

Categoria

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here

Leia mais em