Chinese (Simplified)EnglishFrenchJapanesePortugueseSpanish

Produção de veículos sobe 1% em maio, aponta Anfavea

Setor segue afetado pela falta de componentes e pressão de custo pelo aumento no preço de insumos

Publicado em

Com 192,8 mil veículos, a produção da indústria automotiva teve tímido crescimento de 1% em maio frente a abril, informou nesta terça-feira (8) a Anfavea, associação que representa as montadoras, em número que engloba carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus.

A atividade vem sendo comprometida por falta de componentes, sobretudo eletrônicos, e pressão de custo pelo aumento no preço de insumos como o aço.

Após recomporem minimamente os estoques de materiais nas semanas paradas pela segunda onda da pandemia entre fim de março e começo de abril, a indústria funcionou com menos interrupções de linha no mês passado.

Continua depois da publicidade

O alívio na crise de abastecimento foi, no entanto, apenas momentâneo, já que diversas montadoras estão voltando a parar porque não há componentes eletrônicos suficientes à produção de automóveis. Agora, a indústria automotiva acumula alta de 55,6% na produção do ano, com 981,5 mil unidades montadas entre janeiro e maio.

A entidade segue sem divulgar os resultados dos fabricantes de tratores e máquinas de construção, também associados à Anfavea, porque está revisando toda a série estatística do setor em função do desligamento da John Deere da associação.

Vendas

Em maio também foram computadas as vendas de 188,7 mil veículos, valor que corresponde a uma alta de 7,7% frente a abril, enquanto as exportações avançaram 9,1%, chegando a 37 mil unidades.

No comparativo com maio, quando o mercado foi parado pela crise sanitária, o crescimento foi de 203,4% nas vendas e de 855,4% nos embarques, que têm a Argentina como principal destino.

De janeiro a maio, as vendas acumularam alta de 31,9%, num total de 891,7 mil veículos. Na mesma base de comparação, as exportações, de 166,6 mil unidades nos cinco primeiros meses do ano, tiveram alta de 66,5%.

*Com informação da Agência Estado

 

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Please enter your comment!
Please enter your name here